Um jornal de boas notícias.

Resolvemos subverter a essência do jornalismo tradicional que aponta os erros da nossa sociedade, criando um periódico que trouxesse sempre boas notícias sem perder o senso crítico, essencial a qualquer veículo que se preze.

Clique aqui e conheça-nos

Edição 176 - Setembro/20

AQUI e
tudo sobre nossos patrocinadores:
Share

Quarentena, por quê?


Alvinho, sempre muito observador e atento às palavras, sabia o que eram uma dúzia, uma dezena, uma centena, um século, um milênio e, por isso mesmo, ficou intrigado quando ouviu na TV: “não sabemos quanto tempo irá durar essa quarentena”. Se uma dezena é sempre 10 dias, por que uma quarentena pode não ser quarenta dias?

Pai! Explica isso aí, por favor! Pingo, que está sempre atento quando Alvinho pensa em voz alta, arregalou ainda mais os olhos e levantou ainda mais as orelhas para escutar a explicação do pai: “Na quarentena, filho, as pessoas sadias ficam proibidas de sair de casa…”. As pessoas sadias? Alvinho não se conteve com o que lhe pareceu uma coisa muito errada, mas desculpou-se porque sua avó o havia ensinado a não interromper uma pessoa que está falando: “quando um burro fala, o outro abaixa a orelha”, dizia séria com um sorriso camuflado. Au! Au! Pingo também não se conteve e latiu feliz com a intervenção do Alvinho, mas logo abaixou as orelhas para escutar a explicação do pai.

“Sim, pessoas sadias que possam ter tido contato com alguém com uma doença transmissível, como essa Covid-19. Muitos séculos atrás, a ciência sabia que algumas doenças eram transmitidas de uma pessoa doente para outra sadia, mas não sabia como. Foi uma época de medo do desconhecido, de superstição, acreditava-se que a transmissão era feita por demônios que entravam nas pessoas. Até os animais sofreram com isso. Diziam que os gatos pretos eram bruxas que se transformavam em animais”. Pingo abaixou as orelhas outra vez, triste, em respeito aos gatos e deve ter pensado: quanta ignorância.

“Como não se sabia o período de incubação da doença, instituiu-se a quarentena, sempre de quarenta dias e o nome ficou, mesmo hoje, para doenças em que o período de incubação não é de 40 dias”. Pingo não sabia se estava alegre, ou triste, mas como é otimista, ficou alegre e latiu: Au! Au!  40 pode ser 50, mas acho que será… 25! Auuuuu! O pai do Alvinho antecipou-se quando viu Alvinho em dúvida: “Incubação e Isolamento ficam para o próximo 360.”.

Share
Share